Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

António Góis

Livros, Autores e tudo à volta

António Góis

Livros, Autores e tudo à volta

João Tordo, manual de sobrevivência de um escritor

Avatar do autor António Góis, 11.04.20

Partindo das suas memórias do ofício, João Tordo esboça neste livro uma espécie de manual para todos aqueles que se interessam pelo mundo da escrita, sejam escritores a dar os primeiros passos ou leitores curiosos.

João Tordo, Manual de Sobrevivência de um Escrit

   Misturando humor e pragmatismo, memórias de vida e conselhos úteis, o autor abre as portas da sua actividade e da sua relação com a literatura e a vida a todos aqueles que experimentam a magia da ficção.
Esta viagem pelos meandros de um ofício que recusa deixar-se ensinar — e de muitas das suas vertentes e consequências, como a técnica, o enredo, as personagens, a edição, a crítica, o fracasso, a sobrevivência — é também uma incursão no lado mais íntimo de um escritor entregue à sua mais dilacerante paixão. Este volume percorre os autores, a tradição e o processo que fazem um autor, mas é também uma confissão dos tempos difíceis, das angústias e das dúvidas que assaltam sem piedade tanto os jovens escritores como os mais experimentados.
Manual de Sobrevivência de um Escritor é uma aventura pelo lado menos conhecido de uma forma de arte que encanta a Humanidade desde os seus primórdios. Com coragem e humildade, com ironia e sinceridade, João Tordo conduz-nos nesta viagem, cujas páginas gostariam de ser um guia (ou um amparo) para os amantes de literatura.

Nas livrarias a partir de 26 de maio

 

5 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 12.04.2020

    Olá, Boa Tarde. Pela minha parte penso que os escritores já fazem a sua parte para aumentar os índices de leitura, nomeadamente ao escreverem os livros. A partir daí, caberia a outras entidades despertar nas pessoas o interesse pela leitura. Sei que o João Tordo (antes da pandemia) percorria as escolas deste País onde falava com alunos acerca das suas obras e de literatura em geral. Mas quem poderá responder melhor será o próprio escritor. É uma questão de entrar em contacto com o próprio.
    Boa Pascoa.
    Cumprimentos
    António Góis
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 13.04.2020

    Bom dia.
    Penso que hoje em dia não é suficiente escrever-se um livro só por que sim. O escritor tem que fazer passar uma mensagem que acrescente algo àquilo que já sabemos, tem que ajudar. O escritor tem de fazer a apologia da leitura de livros para o nosso bem estar e saúde. Aquele principio desgastado de que o livro dá erudição/cultura pertence ao passado ou é pelo menos secundário. É preciso desmistificar o livro e alterar o discurso de cultura/erudição para : bem estar e sáude. Já li alguma coisa deste escritor mas, não me trouxe nada de novo, não me ajudou em nada, não escreveu para mim. Ao falarmos de livros, cada qual a seu modo, já estamos a contribuir para fortalecer os hábitos de leitura. Não são só os "outros" que têm obrigação, nós tambem temos responsabilidade a começar por mim.
    Cumprts,
    nos tempos livres - ler é o melhor remédio
    https://lereomelhorremedio.blogs.sapo.pt/
  • Imagem de perfil

    António Góis 17.04.2020

    Escreve o Senhor que ``Ao falarmos de livros, cada qual a seu modo, já estamos a contribuir para fortalecer os hábitos de leitura´´. Isto, depois de escrever ``Penso que hoje em dia não é suficiente escrever-se um livro só por que sim´´. Em que é que ficamos? Vamos proibir os escritores de escrever só porque o senhor acha isso? E depois de eles deixarem de escrever, como é que vai falar de livros e fortalecer os hábitos de leitura? Vai aí uma grande confusão entre a beira da estrada e a estrada da beira.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 26.04.2020

    Boa tarde.
    Eu disse: " Penso que hoje em dia não é suficiente escrever-se um livro só por que sim" - Sua pergunta: "em que é que ficamos ? ". Minha resposta: não me impressiona nem me comove que seja publicado um novo livro. O facto em si pouco ou nada acrescenta. O que me preocupa é a criação de hábitos de leitura dos portugueses em geral. Porque sem isso, continuamos a caminhar parados... Depois: os escritores a meu ver, deviam exercer a apologia e a pedagogia do livro. A respeito da "confusão que vai por aqui...": por vezes acontece um amontoado de solicitações momentâneas e coincidentes q nos levam a expressarmo-nos um pouco mais "atabalhoadamente". Penso que isso acontece com toda a gente. Eu gostava que o Senhor visitasse o meu blog , analisasse, fizesse perguntas, desse opiniões, conforme estou a fazer aqui. Muita saúde por aí.
    Cumprts de:
    nos tempos livres - ler é o melhor remédio
    https://lereomelhorremedio.blogs.sapo.pt/.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.